Câmara discute atribuição de Medalha de Honra da Cidade a Manuel Alegre

Câmara discute atribuição de Medalha de Honra da Cidade a Manuel Alegre

156
0
COMPARTILHE
A Câmara de Lisboa vai discutir, na quarta-feira, a atribuição da Medalha Municipal de Honra da Cidade ao escritor Manuel Alegre, “pela sua entrega à causa da liberdade, da cidadania e de Portugal”.

A proposta, a que a Lusa teve hoje acesso, refere que a homenagem surge, também, “em sinal de reconhecimento pela sua obra, no âmbito da comemoração dos 50 anos de Praça da Canção”, o seu primeiro livro.

A atribuição da medalha, proposta pelo presidente da Câmara, Fernando Medina, vai ser discutida pela vereação na reunião privada de quarta-feira.

“Apesar de apreendidos pela censura, os dois primeiros livros de Manuel Alegre, Praça da Canção (1965) e O Canto e as Armas (1967), circularam de mão em mão em cópias manuscritas e datilografadas e tornaram-se rapidamente livros míticos de toda uma geração que enfrentava a ditadura e a guerra colonial”, aponta o texto da proposta.
O presidente da Câmara de Lisboa sublinha, também, que Manuel Alegra se tornou “um dos grandes construtores da democracia”, tendo estado preso e exilado durante a ditadura.
Alegre “marcou decisivamente o parlamento como deputado, desde a Constituinte, tendo sido um dos redatores do preâmbulo da Constituição da República Portuguesa, de que este ano se celebra o 40.º aniversário”, acrescenta.
A par da vida política, a proposta salienta ainda que Manuel Alegre é “uma grande referência cívica e democrática […] e, ao mesmo tempo, uma referência cultural incontornável, poeta, narrador, cronista, ensaísta”.
O documento frisa, também, que “a sua obra tem sido múltiplas vezes premiada e reconhecida, tanto no espaço lusófono como nos mais diversos países onde se têm multiplicado as traduções”.
“Manuel Alegre, nascido em Águeda [distrito de Aveiro] e símbolo da luta estudantil em Coimbra, é também um dos poetas contemporâneos que mais escreveu sobre Lisboa, a cidade onde vive desde que regressou do exílio e onde escreveu a maior parte da sua extensa obra”, acrescenta Fernando Medina na proposta.
Lembrando outras distinções que o poeta já recebeu, a proposta que será debatida pelo executivo camarário conclui ser “chegada a hora de Lisboa expressar também o seu reconhecimento ao cidadão e poeta Manuel Alegre de Melo Duarte”.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA