COMPARTILHE

O treinador do Nacional, Manuel Machado, disse que não acredita em “facilidades” na visita de domingo ao FC Porto, jogo da 30.ª, jornada da I Liga portuguesa de futebol.

O treinador do Nacional, Manuel Machado, disse hoje que não acredita em “facilidades” na visita de domingo ao FC Porto, jogo da 30.ª, jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Apesar de reconhecer as dificuldades, Manuel Machado sublinha que a sua equipa tudo fará para “dificultar a tarefa do adversário e, se possível, vencer o jogo”.

Segundo garantiu o técnico dos insulares, a sua equipa “não vai ao Dragão derrotada e até leva uma dose de ambição de dificultar ao máximo a tarefa do adversário”, pensando até “sair de lá com os três pontos”, revelou, em conferência de imprensa de antevisão ao jogo.

Machado não esconde a ambição do Nacional: “É sempre o nosso objetivo, independentemente do campo e do adversário que vamos defrontar.

“Os jogos fora de casa, com os ‘grandes’ são sempre muito complicados, basta olhar para os registos para percebermos a taxa de sucesso das visitas das equipas aos campos de Benfica, Sporting e FC Porto, mas vamos também ao recinto do FC Porto com muita ambição”, adiantou.

Para Manuel Machado, o momento menos bom dos portistas, depois de dois insucessos frente ao Tondela e Paços de Ferreira, não os beneficiará.

“Já tive a oportunidade de ler as declarações do treinador do FC Porto, José Peseiro, em que ele diz que pretende corrigir, no imediato, as situações de finalização, que têm sido a pecha da sua equipa, que, para além disso, quer retomar a senda dos bons resultados, daqui para a frente”, afirmou.

No que diz respeito ao Nacional, o treinador da equipa da Choupana afirma que a equipa vive um dos melhores momentos e, apesar de adivinhar muitas dificuldades, vai tentar dificultar ao máximo a tarefa do FC Porto.

O Nacional, nono classificado, com 37 pontos, defronta pelas 20:30 de domingo o FC Porto, terceiro colocado, com 61, em jogo da 30.ª jornada da I Liga, que será arbitrado por Luís Ferreira (AF de Braga).

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA