Portugal Fashion: Miguel Vieira celebra 30 anos carreira

Portugal Fashion: Miguel Vieira celebra 30 anos carreira

1360
0
COMPARTILHE

O criador de São João da Madeira explicou à Lusa, após o desfile que encerrou o terceiro dia do Portugal Fashion no Porto, que procurou criações que olhassem para aspetos que marcaram as três décadas de experiência que leva no setor.

“Quis pegar em várias coisas que me acompanham ao longo destes 30 anos”, revelou, explicando que as propostas apresentam “muitos ‘prints’ e logos, estão muito patentes as asas da marca e o próprio nome Miguel Vieira”, além de menções aos 30 anos de trabalho que celebra.

Ainda assim, para o ‘designer’ “a coleção mais bem concebida vai ser sempre a próxima”, e espera poder “cada vez mais inovar, apresentar mais e melhores coleções, com mais qualidade e que possam abranger mais países”.

Antes do Porto, Miguel Vieira já tinha mostrado parcialmente o novo trabalho em Milão, com as propostas para homem, e em Nova Iorque, para mulher.

Depois do jantar, Hugo Costa mostrou “Don’t Fish My Fish”, proposta para a primeira/verão de 2018, antes de Anabela Baldaque, que apresentou, pelas 22:30, “7 Mulheres mais 1”, uma exploração do conceito do “romantismo”, recorrente nas suas criações, contou à Lusa.

“A coleção mostra muita força e o que é o poder da mulher”, adiantou.

Ao início da noite, o ‘designer’ Diogo Miranda apresentou a coleção primavera/verão 2018, onde celebra uma “mulher sexy”, “feminista” e “poderosa”, e onde não faltaram vestidos, folhos, laços volumosos e decotes.

“Esta coleção é uma comemoração dos 10 anos [de carreira]. É inspirada no cisne, que é o animal mais feminino e sofisticado”, afirmou o criador, que se inspirou nas formas da ave para criar “golas, volumes ou mangas”.

O primeiro desfile do dia pertenceu a Carla Pontes, pelas 16:00, com a graduada do Espaço Bloom, plataforma do evento para criadores emergentes, a apresentar “Raw”, coleção onde se destacam as misturas culturais árabes, africanas e asiáticas, com materiais mais naturais como o linho, algodão e malhas de algodão.

Seguiu-se Estelita Mendonça, que também passou pelo Bloom, com propostas onde se destacam o “grafismo”, a “ideia de felicidade”, “uma certa ironia e o “enjoy yourself” (diverte-te).

A ‘designer’ Susana Bettencourt trouxe ao Portugal Fashion a nova coleção, “Creative Resistance”, em homenagem a Amelia Earhart, a primeira mulher piloto a fazer um voo transatlântico, num desfile que terminou ao som de “People have the Power”, de Patti Smith.

As propostas de Júlio Torcato para as estações mais quentes, apresentadas pelas 19:00, assentam na “reinterpretação e apropriação do universo desportivo, linguagem urbana que mistura o corte da alfaiataria clássica com a técnica dos materiais de ‘performance’ competitiva”.

O evento de moda termina hoje com as novas coleções de Katty Xiomara, no antigo Matadouro Municipal do Porto, de Luís Buchinho, no Cais Novo, ou de Alexandra Moura, entre outros desfiles marcados para a Alfândega.

O circuito do Portugal Fashion, que termina no Porto, passou antes pelas Semanas da Moda de Nova Iorque, Paris, Londres, Milão.

O Portugal Fashion 2015-2017 é financiado pelo Portugal 2020, no âmbito do Compete 2020 – Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização, com fundos provenientes da União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional e que teve um total aprovado de oito milhões para o triénio 2015/2017.

 Por Lusa

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA