Um em cada três vistos emitidos por Portugal em 2017 foi para...

Um em cada três vistos emitidos por Portugal em 2017 foi para angolanos

176
0
COMPARTILHE

Turismo, estudo, visitas a familiares, negócios ou tratamento médico são os principais motivos para o pedido de visto para entrada em território português.

Pelo menos um em cada três vistos em passaporte emitidos pela rede consular portuguesa em 2017 foram para cidadãos angolanos, totalizando perto de 80 mil pessoas, segundo dados fornecidos à agência Lusa pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal.

De acordo com dados provisórios sobre a política de vistos de Portugal, relativos a 2017, o país “continua a ser largamente procurado por múltiplas nacionalidades, quer para a realização de viagens de turismo ou negócios quer para desenvolvimento de atividades académicas ou de estudo”, aponta fonte oficial daquele ministério, questionado pela Lusa.

Acrescenta que o número de vistos emitidos pela rede consular portuguesa cresceu 24% face a 2016, “superando-se a fasquia dos 250.000”.

Os nacionais angolanos foram os que mais vistos receberam, beneficiando perto de 80 mil pessoas, “a larguíssima maioria sob a forma de vistos de curta duração (até 90 dias)”, refere ainda o Ministério dos Negócios Estrangeiros português.

Entre 2016 e 2017, o número de vistos emitidos em Angola cresceu 36% e o Consulado Geral em Luanda – Portugal conta ainda com um consulado em Benguela – “foi o maior centro emissor de toda a rede externa”, acumulando “um total de 30% do total de vistos concedidos”.

Ainda segundo os mesmos dados preliminares, também para efeitos de vistos de estudo, os nacionais angolanos “foram os que mais vistos beneficiaram logo ao seguir aos brasileiros”, tendo a taxa de crescimento sido de 32% face a 2016.

Turismo, estudo, visitas a familiares, negócios ou tratamento médico são os principais motivos para o pedido de visto para entrada em território português.

Além do Consulado Geral, em Luanda funciona ainda, desde julho de 2016, um Centro de Vistos, assegurado por uma empresa externa, com cerca de 40 trabalhadores, que trata especificamente dos pedidos de vistos.

Em 2016, a rede consular portuguesa emitiu um total de 202.439 vistos, de acordo com o último Relatório da Emigração, consultado pela Lusa.

Dos vistos concedidos em 2016, 176.826 foram de curta duração, que permitem estadia no espaço Schengen por 90 dias, e 25.613 vistos de longa duração, designados por vistos nacionais, com duração de 120 dias, dos quais 14.077 foram de residência e 11.536 de estada temporária.

No mesmo ano, em termos de vistos de curta duração concedidos por Portugal, Angola já liderava, com um total de 70.438, seguida da China, com 19.267, da Rússia, com 18.609, e de Cabo Verde, com 16.104.

 

Por Lusa

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA