Prisão preventiva para quatro dos 11 detidos em Cuba, no Alentejo

Prisão preventiva para quatro dos 11 detidos em Cuba, no Alentejo

148
0
COMPARTILHE

O Tribunal de Cuba, no Alentejo, decretou a prisão preventiva de quatro das 11 pessoas detidas no domingo na vila, por suspeitas de tráfico de droga e passagem de moeda falsa

O interrogatório judicial dos suspeitos, detidos pela GNR, começou na segunda-feira e prolongou-se pela noite, no Tribunal de Cuba, distrito de Beja.

O tribunal decretou a prisão preventiva, a medida de coação mais grave, de quatro homens do grupo de 11 detidos, que ficam a aguardar julgamento no Estabelecimento Prisional de Beja.

Os outros sete suspeitos, quatro homens e três mulheres, de acordo com fonte da GNR, ficam sujeitos a apresentações semanais na força de segurança da área de residência.

A detenção das 11 pessoas por suspeitas de tráfico de droga e passagem de moeda falsa foi anunciada na segunda-feira pela GNR, na sequência de uma operação em que apreendeu mais de 700 doses de droga e armas.

O grupo, constituído por oito homens e três mulheres com idades entre os 17 e 31 anos, foi detido no domingo, na vila de Cuba, na sequência de uma investigação por tráfico de droga, explicou a GNR, num comunicado enviado à Lusa.

Segundo a Guarda Nacional Republicana, três dos detidos têm antecedentes criminais por tráfico de droga e furtos.

A investigação, que tinha começado há seis meses, visou o grupo, que “operava no distrito de Beja, com principal incidência em Cuba”, e permitiu “apurar que os suspeitos utilizavam notas falsas para efetuarem compras em lojas de comércio local”, explicou a força de segurança.

De acordo com a GNR, a investigação incluiu 13 buscas domiciliárias e seis a veículos, que permitiram apreender 430 doses de cocaína, 268 de haxixe, 12 de folhas de canábis e nove de MDMA, uma planta de canábis, seis viaturas, cinco armas brancas, 3580 euros em notas falsas, cerca de três mil euros em dinheiro, 23 telemóveis, dois computadores e duas balanças digitais.

 

 

Por Lusa

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA