Braga para Todos quer copos reutilizáveis em festas da cidade

Braga para Todos quer copos reutilizáveis em festas da cidade

640
0
COMPARTILHE

Braga para Todos lança apelo ao atual executivo sobre o excessivo uso de plástico, a maioria copos plásticos de utilização única nas festas que se avizinham, o movimento alerta que a câmara apenas dispõem de contentores para lixo orgânico nestes eventos e mais de 80% do lixo destas festas são resíduos recicláveis. O movimento quer à semelhança de outros festivais do país e da Queima do Porto que existam alternativas, como os copos reutilizáveis, que no final podem ser devolvidos apresentando uma compensação para o seu titular, segundo Elda Fernandes “há muitas opções para tornar as diversas festas ecológicas, a decisão é deste executivo, que continua a não aceitar a urgente mudança de paradigma.”

Os copos de plástico  demoram mais de 400 anos a degradarem-se no meio ambiente  e são os mais comuns nas festas da cidade, como  Noite Branca, S.João e Festa Romana, segundo Elda Fernandes os dados relativos a estas festas mostram a adesão de milhares de bracarenses e turistas que percorrem as ruas centrais da cidade e acabam por consumir nos vários pontos de venda, quer nos tradicionais cafés quer os pontos de venda colocados para melhor servir as pessoas, mas é um desastre o estado da cidade após cada noite: “ Braga pela manhã,  antes da AGERE proceder à remoção do lixo está cheio de copos e outros materiais plásticos como as garrafas, estes materiais são colocados no lixo orgânico, se avaliarmos as noites de festas que Braga tem por ano pelas pessoas que as mesmas atraem e se cada pessoa consumir  em média 3 bebidas por noite, o número de lixo é gigante, ou seja deixamos uma pegada que é totalmente possível de eliminar com bom-senso por parte dos cidadãos e cidadãs,  mas acima de tudo por um trabalho que Ricardo Rio não faz,  que seria apenas alertar as marcas e o comércio local para terem esta opção que cada vez mais acontece em vários eventos”.

O movimento entende que o “ marketing verde” pode ir contra o merchandising  das grandes marcas, que suportam em parte estas concessões amovíveis, mas acredita que os consumidores decidem, em última instância o que querem e como querem consumir, o mercado são as pessoas e  estes copos podem ser personalizados e até mesmo tornarem-se uma recordação, no entanto para mudar este paradigma é necessário mudar a estrutura logística, a qual o movimento diz  ser possível aliado à vontade e criatividade:“ Os copos teriam que ser entregues na primeira bebida ou então num espaço, um posto de informação, por exemplo e associados a um determinado valor, depois a pessoa ao consumir apresentaria o copo, no final ou ficava com ele ou devolvia sendo devolvido o valor ou parte dele, esta solução precisa apenas de um ponto verde e de voluntários, que por norma atuam nestas festas auxiliam quem precisa, a outra solução seria os próprios espaços de venda lavarem os copos, mas a nível logístico o primeiro, muito semelhante ao adotado pela  Queima do Porto este ano e por outros festivais parece mais fácil, a par disso também é essencial a Braval colocar contentores para resíduos recicláveis, porque falamos em mais de 80% do lixo  reutilizável e reciclável que  acaba em aterros”

O movimento termina, com a indicação que enviará uma nota para o atual edil e está disponível para colaborar num projeto viável e de fácil execução: “O importante é começar e educar a sociedade, porque podemos divertir-nos sem destruir o planeta, não precisamos de palhinhas, nem de um copo por cada bebida nem dos balões que são usados massivamente nestes eventos, termina Elda Fernandes.

noite-branca-braga_770x433_acf_cropped Portal_Nacional_dos_Municipios_e_Freguesias_VacadasCordas201820180401_120013

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA