Semana do Empreendedorismo 2018 arranca com mais desafios

Semana do Empreendedorismo 2018 arranca com mais desafios

559
0
COMPARTILHE

O crescimento de novas empresas em Lisboa e o aumento da dinâmica internacional do ecossistema empreendedor marcam a sétima sétima Semana do Empreendedorismo, que arrancou em 14 de maio com uma sessão nos Paços do Concelho e decorre até dia 18. Duarte Cordeiro, vice-presidente da autarquia e responsável pelo pelouro da Economia e Inovação deu “o sinal de partida”, num encontro que contou também com a secretária de Estado da Indústria, Ana Lehmann.

“Hoje Lisboa é uma cidade que cresce a um ritmo acelerado, já não estamos a exportar talento mas sim a retê-lo”. Palavras de Duarte Cordeiro num discurso carregado de confiança e motivação, onde começou por lembrar a estratégia iniciada há cerca de sete anos para afirmar que “Lisboa é hoje reconhecida internacionalmente por ser uma cidade inovadora, criativa e empreendedora”. Um feito que, sublinha, se deve “em  grande medida ao ecossistema empreendedor”.

A Semana do Empreendedorismo é um espaço que permite “repensar o futuro da cidade e para replicar os bons exemplos”, diz Duarte Cordeiro, que vinca ainda “a criação de emprego de qualidade” como resultado do crescimento da cidade. 2017 registou o maior número de crescimento de empresas, revela, um terço das novas empresas estão na área do conhecimento e da alta tecnologia, o vice-presidente da autarquia reafirma por isso o compromisso do município: “fazer da inovação e do conhecimento fator de desenvolvimento da cidade”.

Nesse sentido elenca as principais linha de intervenção da autarquia nes área, que passam pelo alargamento da área de escritórios na cidade, desenvolvimento de projetos específicos que apoiem o ecossistema, como o Hub Criativo do Beato, já em curso, ou um projeto que será apresentado brevemente para a zona da antiga Feira Popular.

Por outro lado realça o esforço para uma maior relação entre a academia e o mundo empresarial, nesse sentido foi criado um fundo cinco milhões de euros, e o empenho na transformação da cidade num laboratório vivo, “à disposição da inovação”, patente em projetos como o Smart Open Lisboa ou o portal de dados abertos. Já na área das criativas, Duarte Cordeiro recorda a abertura recente do mercado de ofícios no Bairro Alto.

Made of Lisboa é uma ferramenta crucial na estratégia municipal e Duarte Cordeiro relembra a importância do portal na interação entre toda a comunidade.

Paulo Soeiro de Carvalho, diretor municipal de Economia e Inovação, realçou alguns dados que corroboram o crescimento da cidade nesta área, lembrando particularmente a atração e expansão de empresas globais como a Volkswagen, a Mercedes, a Zalando, o BPN Paribas, a a Microsoft, a Teleperformance, a Fugitsu, a Zomatou ou a Accenture Portugal.

A criação de novas empresas registou em 2017 o maior número de sempre, Duarte Cordeiro já o tinha afirmado e o diretor municipal sublinha que se tratou de uma subida de 16 por cento em relação ao ano anterior.

A realização da Web Summit tem hoje impactos no ecossistema empreendedor e Paulo Soeiro de Carvalho lembra-os, vincando alguns números na realidade empreendedora lisboeta, que “falam por si: 18 incubadoras de startups, mais de 14 programas de aceleração de empresas (dois deles de âmbito internacional), seis Fab Labs e múltiplos espaços para makers, mais de 50 espaços de coworking e “uma rede cada vez mais dinâmica” de Business Angels e Capitais de Risco.

Fonte: CM-Lisboa

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA