‘Aparecida Music Fest’ – Para o ano há mais… (com fotos e...

‘Aparecida Music Fest’ – Para o ano há mais… (com fotos e vídeo)

COMPARTILHE

O Aparecida Music Fest invadiu a Freguesia do Torno, nos passados dias 17 e 18 de junho, com dois dias de muita festa, música e animação.

No dia 17, subiram ao palco o Tributo U2 “The Fly” e as Garotas de Ipanema, enquanto que, no dia seguinte, foram cabeça de cartaz os ÁTOA e o Capitão Mocho.

Após a atuação das bandas, a festa prolongou-se pela noite dentro com a atuação de Mr. Bar, César Aires, Ralph Von Dutch e Gil Fernandes.

A organização do evento esteve a cargo da Junta de Freguesia de Torno e, como tal, o Yes Lousada falou com Elisa Maria Pinto, presidente da junta de freguesia, que explicou, entre outras temáticas, como surgiu a iniciativa, qual o balanço da mesma e as perspetivas para o futuro.

Como surgiu a ideia da iniciativa?

A Junta de Freguesia do Torno já há algum tempo que planeava fazer um evento destinado aos jovens.  A ideia de fazer um Festival de Música surgiu pelo facto de ser uma área transversal e com a qual todos se identificam. A música faz parte da vida de cada um de nós.

Que entidades se associaram ao evento?

Depois de tomada a decisão de organização do Festival, pensámos que seria uma oportunidade, única, de apoiar, com este evento, as coletividades locais.

Por este facto, decidimos não ceder nenhum espaço [apesar das inúmeras solicitações] a particulares, dentro do recinto, e assim dar a oportunidade às diferentes associações de poderem explorar [gratuitamente] os espaços, publicitando, desta forma, as suas atividades e proporcionar um retorno financeiro importante, resultante das vendas de comida e bebidas.

Assim sendo, convidámos o Aparecida Futebol Clube, o Rancho Folclórico Sr.ª Aparecida, a Aparecer – Associação para o Desenvolvimento Turístico, Económico e Social e a Comissão de Festas da Romaria Nossa Senhora de Aparecida, que tiveram os seus espaços e cujas receitas reverteram para cada uma destas instituições.

Que balanço faz desta edição?

O Balanço só pode ser positivo. Foi criada a ‘semente’ para a realização de um evento como Aparecida já merecia.

É normal que numa primeira edição haja alguma desconfiança por parte de todos os agentes, mas em termos de organização passámos o teste.

Fomos felicitados por todos os intervenientes que fizeram questão de deixar, nas redes sociais, a sua nota positiva pela forma como foram recebidos, pelo profissionalismo e pela disponibilidade das gentes de Aparecida. Penso que por aqui marcámos a diferença.

Importa, aqui, agradecer a todas as empresas e particulares que tornaram possível a realização deste evento.

Posso referir, ainda, que nos dois dias visitaram o recinto cerca de 1250 pessoas.

Qual foi a maior dificuldade?

A principal dificuldade foi a nossa inexperiência em termos publicitários, porque acreditámos que o nosso cartaz não chegou a muitas pessoas que teriam interesse em visitar-nos e esse é um aspeto que vamos tentar melhorar.

No cartaz existem vários tipos de música. Considera que o mesmo se adequou ao objetivo do festival?

A ideia do cartaz que elaborámos foi simples. Os Átoa foram o nosso ponto de partida e contratados muito antes das nomeações que tiveram para os Globos de Ouro. Têm uma qualidade acima da média e, por isso, optámos por eles, porque sabíamos que iriam de encontro aos mais jovens.

Os The Fly – Tributo a U2 são uma banda para um grupo mais alargado de público, pois as músicas que tocam fazem parte do imaginário dos jovens e menos jovens (os U2 são intemporais).

Os Capitão Mocho (uma banda das redondezas com muita qualidade) foram convidados para mostrar um rock mais “puro e duro” e as Garotas de Ipanema para complementar todo o cartaz com um estilo de música diferente (eletrónica).

Nos finais de noite, com os Dj’s (Ralph Von Dutch, Gille, Jorge e César Aires) abordámos estilos desde o latino, ao house e ao techno.

O festival adequou-se ao objetivo, pois o Aparecida Music Fest é essencialmente um Festival de Música e tentámos proporcionar a quem nos visitou diferentes formas de música.

Para o próximo ano teremos uma nova edição?

Sim, para o ano teremos o 2.º Aparecida Music Fest. Em termos de organização e Cartaz, até mesmo na duração, ainda não tomámos uma decisão em concreto.

Estamos a estudar várias possibilidades. Mas fica a promessa que no próximo ano haverá o Aparecida Music Fest, isso sim é certo.