“Com outra estabilidade em relação às infraestruturas poderíamos ter conseguido um...

“Com outra estabilidade em relação às infraestruturas poderíamos ter conseguido um pouco mais”

José Nuno Marques: responsável pela secção de futsal da AD Lousada

COMPARTILHE
Jorge Pinto, José Marques, Marco Ribeiro, Alípio Campos e José Raposo
YES: Que balanço faz desta época desportiva?
JOSÉ MARQUES: Para um primeiro ano de competição inserido na AD Lousada, termos a equipa sénior num honroso quarto lugar, o melhor lugar de sempre desta equipa, numa divisão extremamente competitiva é obviamente muito positivo. Conseguir chegar às meias-finais da Taça, foi também um marco nunca atingido. Quanto aos juniores, foi uma época mais atribulada, com muitas dificuldades logísticas, mas ainda estamos em competição, temos a possibilidade de fazer 37 pontos, o que nos deixaria perto do meio da tabela. No global, o balanço é, obviamente, positivo. Com outra estabilidade em relação às infraestruturas, poderíamos ter conseguido certamente um pouco mais. Recordo que estivemos praticamente toda a época a treinar num pavilhão diferente do que jogávamos e este fator é obviamente penalizante, felizmente os atletas e os treinadores entenderam estas limitações e foram incríveis no ultrapassar desta adversidade.
YES: Fale-nos um pouco do trabalho que está a ser desenvolvido?
JM: Esta época foi atípica, com a transição das equipas da JD Meinedo para a AD Lousada/Meinedo, não permitiu preparar com a devida antecedência a época desportiva, face à rapidez e imprevisibilidade de todo o processo. Neste momento, estamos já a preparar a próxima época, no planeamento das equipas que irão competir, na construção dos respetivos planteis e equipas técnicas. Temos, também, previstas reuniões com a autarquia local no sentido de encontrar soluções ao nível das infraestruturas necessárias para o desempenho adequado da modalidade.
YES: Para além dos seniores o clube tem também uma equipa de juniores. Existem projetos para fomentar a criação de outros escalões?
JM: Projetos existem, gostávamos de ter escalões inferiores, como os sub-10 ou sub-12, mas temos de ter os pés bem assentes no chão e perceber a viabilidade tendo em conta as infraestruturas necessárias. Como qualquer clube desportivo, a formação é essencial e o garante do futuro, agora é preciso perceber se existem condições físicas, humanas e financeiras para a sua sustentabilidade.
YES: E no setor feminino?
JM: Neste momento ainda não é uma possibilidade, mas nesse setor a AD Lousada tem o voleibol e o futebol de 7 e de 11, modalidades essas em claro desenvolvimento.
YES: A integração dos jogadores da formação será uma linha a seguir ou existe a necessidade de um trabalho de prospeção?
JM: Tal como já referi, a formação é essencial e o garante do futuro, complementando-se claramente com o trabalho de prospeção. Para a obtenção de uma equipa competitiva, estes dois fatores têm de estar associados. Agora, no nosso caso concreto, é preciso não esquecer que a nossa equipa resultou de uma fusão com o Juventude de Meinedo, competindo na divisão de Elite da AF Porto, portanto a equipa já estava criada, cabendo-nos agora a nós geri-la e aperfeiçoá-la, respeitando sempre com carinho todos os que ao longo dos anos trabalharam para a equipa chegar a este patamar. Esta equipa e este projeto é agregador, pretende incluir e unir todos os que queiram e possam ajudar.
YES: As maiores necessidades atuais do clube são físicas ou humanas?
JM: São claramente ambas, já para não falar das financeiras. Aproveito para deixar um apelo e um convite a todos os que gostem de futsal e de Lousada, juntem-se a nós neste sonho, vamos colocar a nossa terra num patamar maior.
YES: Quais as vantagens e/ou desvantagens de os jogos realizarem-se no pavilhão da Escola Secundária de Lousada?
JM: Tendo em conta a origem do clube nesta modalidade de futsal, vantagem seria jogarmos no Pavilhão de Meinedo, infelizmente tal não foi possível, pelo que a nossa casa natural tem de ser o Pavilhão Municipal de Lousada. É fundamental conseguirmos treinar e jogar no mesmo pavilhão, estamos certos de que o município percebe o nível competitivo em que estamos inseridos e tentará, dentro das suas possibilidades, articular horários no Pavilhão Municipal para que isto seja uma realidade esta época. Envergamos a responsabilidade e o orgulho de representarmos todo um concelho, a nossa vila, todos os Lousadenses.
YES: Qual a sua visão sobre a modalidade no concelho?
JM: O futsal é claramente uma das modalidades desportivas com mais praticantes e em claro desenvolvimento em Portugal e o nosso concelho não foge à regra. Neste momento temos já, no nosso concelho, três clubes a competir oficialmente e se formos ver a taxa de ocupação de todos os pavilhões existentes em Lousada, verificamos que o futsal está claramente presente e em grande maioria, mesmo sendo com grupos informais e não federados.
YES: Na altura em que Meinedo e Desportivo da Ordem atuavam no mesmo escalão, os respetivos confrontos registavam molduras humanas impressionantes. Faltam mais clube de Lousada para ajudar a elevar o nível competitivo e à promoção dos clubes, assim como uma maior empatia dos lousadenses pela modalidade?
JM: Os chamados “dérbis” significam sempre grande afluência humana, grande presença de adeptos. Obviamente que quantos mais clubes locais a competir maior será a promoção da modalidade, mas sinceramente penso que o nosso clube, a AD Lousada/Meinedo, o Desportivo da Ordem e até o próprio GACER já elevam o nível competitivo do futsal e representam muito bem o nosso concelho. Obviamente todos gostávamos de seguir o excelente exemplo do Desportivo da Ordem e estar nos campeonatos nacionais. Por outro lado, uma maior concentração de esforços de todas as equipas do concelho, num só projeto, poderia permitir uma equipa no mais alto escalão nacional.
YES: As dificuldades financeiras são sempre um grande entrave para a maioria das associações numa modalidade que ainda não tem a visibilidade do futebol e como tal não atrai tanto os patrocinadores. Como analisa a atual situação do futsal, quer a nível distrital quer nacional?
JM: A nível nacional, pelo que conheço da realidade da modalidade enquanto adepto e espectador, temos meia dúzia de equipas com poder financeiro, com Sporting e Benfica à cabeça, que se podem considerar profissionais e com capacidade económica. O resto são clubes amadores, que vão lutando contra as dificuldades de tesouraria e que vão conseguindo formar equipas mais ou menos competitivas.
Ao nível distrital as dificuldades são ainda maiores, os clubes representam realidades mais pequenas, com menos visibilidade e só com a ajuda de entidades particulares e das autarquias locais é que é possível sobreviver. Aproveito para agradecer a todos os padrinhos e patrocinadores que ao longo desta época nos permitiram manter a competir as nossas equipas. Uma palavra de agradecimento especial também ao Sr. Presidente da Câmara Municipal, Dr. Pedro Machado e ao Sr. Presidente do Agrupamento de escolas de Lousada, Dr. Filipe Silva, pois tudo fizeram para que fosse possível treinarmos e jogarmos num momento da época em que os pavilhões já estavam ocupados e comprometidos.
YES: Fala-se, inclusive, que a AFP quer acabar com a 2.ª divisão. Considera que isso irá trazer vantagens, até porque irá certamente reunir na mesma série equipas dos mesmos concelhos e/ou vizinhas?
JM: Honestamente desconheço essa possibilidade, sendo que o futsal federado foi alvo de uma reformulação ao nível da organização competitiva aqui há três ou quatro anos atrás, não nos parece que tal possa eventualmente avançar a curto prazo.
YES: Quais os objetivos a nível estrutural/competitivo para a próxima temporada?
JM: Os objetivos são ter as condições físicas, humanas e financeiras necessárias para podermos estabilizar a modalidade no clube, criar uma base para a formação e na equipa sénior construir um grupo capaz de lutar pela subida de divisão e alcança-la em dois anos.
YES: Gostaria de deixar uma mensagem para os adeptos?
JM: Gostaríamos de ter uma massa adepta mais presente, que todos os Lousadenses, de todas as freguesias, viessem apoiar o clube e passar um bom bocado a ver um jogo de futsal. É de uma emoção e imprevisibilidade constantes, tornando cada jogo uma experiência e vivência fantásticas!