Sobreira recebeu a 1ª edição da Noite Branca

Sobreira recebeu a 1ª edição da Noite Branca

0
COMPARTILHE

A vila de Sobreira vestiu-se de branco para receber a 1ª edição da Noite Branca. A iniciativa juntou centenas de pessoas e contou com diversas atividades, nomeadamen­te a atuação de dois músicos da terra, Sofia Moreira e João Gon­çalves.

Do teatro de rua à música, da dança ao folclore, sem esquecer os bares, a gastronomia e, até, o artesanato, foram muitos os ingre­dientes que atraíram centenas de pessoas à vila de Sobreira no sá­bado, 22 de setembro. O mote para a grande festa foi a Noite Branca, a primeira edição do evento que superou as expectativas, com pes­soas de fora da região: “A comu­nidade da Sobreira, por norma, é muito unida, mas também vieram muitas pessoas de fora. Veio um grupo de Gondomar, do Marco, de Beire, que é uma freguesia do outro lado do concelho”, explica a representante da organização.

Vanessa Quintela é a “coman­dante” do grupo de 40 pessoas, que representou a Sobreira nas marchas de S. João e que foi o res­ponsável pela organização desta iniciativa: “Nós somos um grupo muito unido e que se dá muito bem e, depois das marchas, qui­semos manter-nos ligados e, por isso, como em terras vizinhas já acontece este evento e nós temos aqui um espaço e uma população agradável decidimos avançar. O executivo da junta tem sido impe­cável e agarra sempre nas ideias que a população propõe.”

A 1ª edição da Noite Branca foi só o início. O grupo liderado por Vanessa Quintela quer ir mais além e está a trabalhar na criação de uma associação: “Vamos criar uma associação para trabalhar com outras associações e “fazer a ponte” entre todas. Por vezes, exis­tem diferenças e um certo distan­ciamento e nós queremos ser uma espécie de “ponte conciliadora” e ajudá-las a criar eventos e tudo o que precisem.”

O grupo, que vai dos quatro aos setenta anos, tem o apoio do pre­sidente da junta de Sobreira, que se mostrou bastante satisfeito com a dinâmica destes jovens: “A ini­ciativa pensada e organizada por este grupo de Castromil teve des­de logo o acolhimento da junta e da Câmara Municipal de Paredes. Esta grande energia e espírito de iniciativa proporcionou o ambien­te que estamos a viver esta noite e excedeu as espectativas.”

A “adesão em massa” dos so­breirenses não surpreendeu João Gonçalves, que diz “saber bem o valor do seu povo”: “A junta de freguesia tem a honra de presidir estas pessoas fantásticas e a fre­guesia tem muita sorte em tê-las cá. Nós, enquanto entidade públi­ca, desde a primeira hora, notifi­cámos todos a intervir, quer os jo­vens, quer os menos jovens, e isso, naturalmente, produz efeitos. Por vezes, os efeitos são tardios, mas eles aparecem e aí estão, portanto, quero dizer que vale a pena pri­meiro convocar, sem discriminar idades.” O presidente vai mais lon­ge e diz mesmo: “Estão lançadas as bases, temos boas razões, e eu tenho boas razões, para dizer que a batalha da proximidade está ga­nha, não a guerra, que essa conti­nua permanentemente.”

A freguesia de Sobreira tem sido “palco” de diversas inicia­tivas ao longo do ano. Para João Gonçalves, o sucesso passa “pelo cultivo, preparação e incentivo da população e transforma-se numa sequência. No fundo, o indutor está cá, depois parte das pessoas acolherem e participarem nessas iniciativas. Já tivemos a “Cultura na Rua” e “As noites da Alameda”, que também foram um sucesso.”

A vila de Sobreira tem assim “pernas para crescer” ao nível do associativismo, como confirma João Gonçalves: “Sobreira já tem cá um bom número e grupo de as­sociações formais e informais. No entanto, ainda não está tudo cria­do e estabelecido, mas há poder de iniciativa e eu acredito que ainda vão ouvir falar muito desta terra, pelos bons motivos.”

Por: Cristina Borges

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA