CHTS promove encontro sobre Esclerose Múltipla

CHTS promove encontro sobre Esclerose Múltipla

Iniciativa decorre, a 11 de dezembro, no Hospital Padre Américo

263
0
COMPARTILHE

No âmbito do Dia Nacional da Pessoa com Esclerose Múltipla (EM), que se assinalou a 4 de dezembro, o Serviço de Neurologia do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS) realiza na próxima segunda-feira, 11 de dezembro, o 2.º Encontro do CHTS sobre “Direitos, questões jurídicas e sociais da pessoa com EM”.

A iniciativa, organizada pela equipa multidisciplinar da consulta de Neurologia, vai ter lugar no Hospital Padre Américo, pelas 09h30, e do programa fazem parte temas como “Atestado Médico de Incapacidade Multiusos”, “Direitos e Benefícios sociais”, “Prestação Social para a Inclusão (PSI)” e “Proteção Especial na Invalidez”.

Celena Veloso, assistente social da Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM) é a oradora convidada. No final da sessão, há ainda espaço para “perguntas e Respostas”, no qual os utentes e familiares vão poder esclarecer as suas dúvidas.

Este segundo encontro sobre a EM, mantêm aposta de juntar profissionais e utentes na partilha de experiências. A entrada é gratuita e aberta a toda a comunidade.

O que é a Esclerose Múltipla?

Esclerose Múltipla (EM) é uma doença crónica, inflamatória e degenerativa, que afeta o Sistema Nervoso Central (SNC). É uma doença que surge frequentemente entre os 20 e os 40 anos de idade, ou seja, entre os jovens adultos. Afeta com maior incidência as mulheres do que os homens.

Esta patologia é diagnosticada a partir de uma combinação de sintomas e da evolução que a doença apresenta na pessoa afetada, com recurso a exames clínicos/exames complementares de diagnóstico (Ressonância Magnética Nuclear, Estudo de Potenciais Evocados e Punção Lombar).

Estima-se que em todo o mundo existam cerca de 2.500.000 pessoas com EM (dados da Organização Mundial da Saúde) e em Portugal mais de 8.000 (Gisela Kobelt, 2009).

A EM pode produzir sintomas idênticos aos de outras patologias do SNC, pelo que o diagnóstico poderá demorar anos a acontecer.

Fonte: SPEM – Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA