Centro de Interpretação do Românico premiado pela Associação Portuguesa de Museologia

Centro de Interpretação do Românico premiado pela Associação Portuguesa de Museologia

O Centro de Interpretação do Românico (CIR), recebeu já mais de 10 mil visitantes.

277
0
COMPARTILHE
Fotografia_ Centro Interpretativo Rota do Românico

O Centro de Interpretação do Românico, promovido pela Rota do Românico, foi premiado com os prémios da Associação Portuguesa de Museologia (APOM) 2019, nas categorias “Trabalho de Museografia”, “Aplicação de Gestão e Multimédia” e “Filme”. Recebeu, ainda, uma menção honrosa na categoria “Melhor Museu do Ano”.

A entrega dos prémios decorreu no Teatro Miguel Franco, em Leiria.

O Centro de Interpretação do Românico (CIR), aberto ao público no dia 27 de setembro de 2018, na vila de Lousada, recebeu já mais de 10 mil visitantes.

É constituído por uma superfície expositiva de 650 metros quadrados, distribuída por seis salas temáticas, num edifício concebido totalmente de raiz, e afirma-se como uma porta privilegiada para o início da viagem de descoberta da Rota do Românico e do seu território de influência, bem como das expressões artísticas e simbólicas que marcaram Portugal e a Europa, da Idade Média até à contemporaneidade.

Os Prémios APOM têm como objetivo incentivar e distinguir os agentes e instituições da museologia e do património nacionais, dando visibilidade ao seu trabalho.

Em 2013, a linha de “merchandising” da Rota do Românico também foi distinguida pelos Prémios da APOM.

A Rota do Românico reúne, atualmente, 58 monumentos, distribuídos por 12 municípios dos vales do Sousa, Douro e Tâmega (Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel e Resende), no Norte de Portugal.

As principais áreas de intervenção da Rota do Românico abrangem a investigação científica, a conservação do património, a dinamização cultural, a educação patrimonial e a promoção turística.

 

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA