Cerca de oito mil crianças das escolas do concelho de Paredes fazem...

Cerca de oito mil crianças das escolas do concelho de Paredes fazem rastreios visuais

Já foram rastreadas 3 mil crianças do 1.º ciclo (dos 6 aos 10 anos) e cerca de mil do pré-escolar (dos 3 aos 5 anos) nos estabelecimentos de ensino do concelho de Paredes.

185
0
COMPARTILHE
Fotografia: Câmara de Paredes

O município de Paredes, no âmbito do projeto Paredes Educa – Construir Mais Sucesso, em parceria com o Laboratório de Investigação em Optometria Clínica e Experimental do Centro de Física da Universidade do Minho (CEORLab) encontra-se a desenvolver um projeto de realização de rastreios visuais aos alunos das escolas do Concelho.

Este rastreio visa fazer a despistagem de eventuais fatores que possam contribuir para dificuldades de aprendizagem.

O objetivo é conhecer a prevalência e a evolução dos problemas de visão das crianças, detetar problemas como erros refrativos e disfunções da visão binocular.

Nos casos em que sejam detetados problemas visuais, que possam comprometer o desenvolvimento visual e escolar das crianças, os encarregados de educação serão informados.

Fotografia: Câmara de Paredes

Neste momento já foram rastreadas 3 mil crianças do 1.º ciclo (dos 6 aos 10 anos) e cerca de mil do pré-escolar (dos 3 aos 5 anos) nos estabelecimentos de ensino do Concelho de Paredes. Estima-se que sejam abrangidas cerca de oito mil crianças.

Apesar de prever apenas rastreios para os alunos dos 1.º e 2.º anos de escolaridade, este projeto foi estendido a todos os alunos do 1.º ciclo do 1.º ao 4.º ano e aos do pré-escolar das escolas públicas de Paredes.

Fotografia: Câmara de Paredes

Os rastreios visuais terminam no final deste mês. Esta quinta-feira, o vereador com o pelouro da Educação, Paulo Silva, acompanhou os rastreios na Escola Básica de Paredes.

Depois de concluído o rastreio, os dados serão submetidos à aprovação do comité de ética da Universidade do Minho e tratados de acordo com as normas em vigor. Os resultados poderão ser usados, ainda, de forma anónima para a realização de trabalhos de investigação científica.

 

 

 

 

 

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA