Cristina Moreira apresentou compromissos para o distrito do Porto

Cristina Moreira apresentou compromissos para o distrito do Porto

Legislativas 2019

461
0
COMPARTILHE

Cristina Moreira, candidata lousadense pelo PS na lista pelo distrito do Porto, apresentou, na passada segunda-feira, os 12 compromissos eleitorais para o distrito.
Em 6.º lugar na lista, a autarca tem a eleição garantida, tornando-se na primeira deputada do PS Lousada. Uma responsabilidade e confiança do partido que a deixou honrada.
Em conferência de imprensa na sede concelhia, ladeada pelo presidente da Concelhia do PS Lousada, José Santalha, e o líder da JS Lousada, Nuno Fernandes, prometeu levar para a Assembleia da República o mesmo empenho e energia que caracterizaram os 14 anos que esteve como autarca lousadense: “Fazer notar em Lisboa a região rica que nós somos e as capacidades e possibilidades que este território tem. Tentar traduzir o trabalho que fiz em Lousada para o país”.
Em antecipação ao seu mandato, Cristina Moreira mostrou-se entusiasmada por poder desenvolver, junto do poder central, o trabalho nas áreas que mais se identifica e com isso trazer benefícios para a região: “As áreas onde me revejo mais será nas oportunidades para todos, na luta contra a pobreza, nas questões da mobilidade para todos e das acessibilidade e de todos terem uma empregabilidade. O esforço que fazemos na politica local não se compadece com a distância da politica central. E, o facto de não termos no nosso país uma descentralização, faz com que algum do nosso trabalho seja inglório. Por isso o facto de estarmos próximos do poder, que está em Lisboa, terá de fazer a diferença e eu espero estar à altura de o conseguir fazer”.

“IC35 é algo que nos desequilibra e que é muito injusto”

Cristina Moreira lembrou que nunca o PS teve tantos candidatos elegíveis no Tâmega e Sousa (sete) e que isso será certamente uma mais-valia para defender os interesses da região, nomeadamente na construção do IC35, uma obra há mais de duas décadas reclamada e de grande estratégia de desenvolvimento, nomeadamente para os concelhos de Penafiel, Marco de Canaveses, Castelo de Paiva e Cinfães: “IC35 será certamente uma luta de todos, tal como a questão da nova ferrovia, do hospital Padre Américo, um mapeamento dos equipamentos sociais e todo o parque escolar de uma forma coesa e que não haja tantas diferenças de uns concelhos para os outros, isso será o que nos une. Claro que teremos também projetos importantes na coesão territorial, mas o que nos importa é que todos tenham acesso a uma boa educação, uma boa formação e os serviços básicos de saúde e dar oportunidade da nossa juventude ficar dentro do nosso território”.
A candidata revelou que esse já havia sido um dos temas abordados nos trabalhos da agenda da empregabilidade do CIM do Tâmega e Sousa: “Um dos problemas que encontramos para eliminar os níveis de pobreza que ainda existe nestes 11 concelhos e o facto das pessoas não terem condições para se deslocarem, quer para questões de emprego, de saúde, de equipamentos sociais, de educação e formação e até de recreio. Portanto o IC35 aparece aqui como algo que nos desequilibra e que é muito injusto. Conto que todos os deputados desta região porque estarei em equipa a lutar por algo que é importante para a região”.
O IC35 consta de uma lista de 72 projetos do “Plano Nacional de Investimentos” (PNI) 2030 e a candidata garantiu que, a curto/médio prazo a nova linha ferroviária prevista para o Vale do Sousa (Valongo/Felgueiras) também irá estar, sendo necessário sensibilizar os ministros responsáveis por essa área: “Há um trabalho muito grande a realizar, que é fazer com que as pessoas certas venham ao local verificar com os seus próprios olhos a dificuldade que as pessoas têm em se deslocar de um concelho para os outros”, disse Cristina Moreira, apontando ainda ser necessário motivar as pessoas para “eliminar” os carros em detrimento dos transportes coletivos, promovendo a justificação desse investimento e também para aumentar a frequência dos comboios na já existente linha que liga o Porto ao Marco de Canaveses.

“Temos que aceitar como missão aquilo que tem de ser feito”

Durante o período que irá exercer o cargo de deputada, Cristina Moreira optou por suspender o mandato de vereadora, uma decisão que considerou de “cautelosa da minha parte e também por respeito às pessoas de Lousada”.
Sobre o futuro e o regresso às funções de autarca no município de Lousada, até mesmo como candidata à chefia da Câmara Municipal, referiu que “muitas vezes temos que aceitar como missão aquilo que tem de ser feito e não aquilo que queremos fazer. Mais do que ambição, tenho espírito de missão”.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA