Eletrificação da Linha do Douro até à Régua avança em 2020

Eletrificação da Linha do Douro até à Régua avança em 2020

724
0
COMPARTILHE

A eletrificação da Linha do Douro, entre Marco de Canaveses e a Régua, vai avançar em 2020, disse hoje o presidente da presidente da Câmara de Baião, Paulo Pereira, citando informações da empresa Infraestruturas de Portugal (IP).

Para o autarca, trata-se de uma ótima notícia para Baião, no distrito do Porto, porque permitirá melhorar o serviço de transporte ferroviário, beneficiando aquele concelho atravessado ao longo de vários quilómetros pela Linha do Douro.

Prevê-se ainda a renovação integral da infraestrutura, incluindo as plataformas, a incorporação de estruturas de suporte para sinalização e telecomunicações, o rebaixamento de via-férrea ou a substituição de quatro passagens superiores, assim como intervenções nas estações e apeadeiros.

Numa reunião realizada em Lisboa com representantes da empresa, avançou ainda Paulo Pereira, foi também comunicado que o projeto para aquela intervenção, atualmente em fase de estudo, deverá estar concluído no final deste ano, avançando-se depois para o lançamento de concurso para a empreitada.

O presidente acrescentou que, de acordo com informação da IP, a eletrificação vai permitir duplicar a oferta de comboios regionais e intercidades entre a Régua e o Porto (cerca de 50 quilómetros), para corresponder ao aumento do número de passageiros. A redução dos tempos de ligação e uma maior comunidade são outras vantagens apontadas pelo presidente da câmara.

A intervenção, assinalou, beneficiará a população e a economia de Baião, um concelho ribeirinho do Douro que tem no turismo uma das suas principais apostas estratégicas de desenvolvimento.

Se for cumprida a calendarização avançada pela IP, a empreitada deverá estar concluída em 2022.

Apesar do anúncio da obra, o presidente da Câmara de Baião admitiu “alguma apreensão”, atendendo aos problemas que se tem observado na eletrificação entre as estações de Caíde de Rei (Lousada) e Marco de Canaveses, já iniciada e entretanto suspensa, mas cujos prazos de conclusão têm sido sucessivamente ultrapassados.

 

 

Por Lusa

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA