Exposição de esculturas em madeira de Francisco Rodrigues na Casa da Cultura

Exposição de esculturas em madeira de Francisco Rodrigues na Casa da Cultura

Mostra integra mais de 20 santos e pode ser vista até 13 de maio.

386
0
COMPARTILHE

Encontra-se patente até dia 13 de maio, a mostra de escultura “Santos na Casa” de Francisco Rodrigues, escultor de Vilela, tido  por quem conhece a sua obra como um exímio executante e mestre de peças em madeira.

Francisco Rodrigues confessou que este é o seu primeiro trabalho que tem patente na Casa da Cultura, assumindo tratar-se de um privilégio expor num  local emblemático com é o da Casa da Cultura para um público mais vasto.

Falando da paixão pelas esculturas em madeira, Francisco Rodrigues assumiu ser um autodidata que desde muito novo começou a cultivar o gosto pela escultura.

“Na escola descobri o meu talento, fazia desenhos de pessoas e convenci-me que queria aprender a trabalhar a madeira e fui aprender com um entalhador, mas não consegui. Cheguei a chorar.  Queria ser escultor, estive depois numa empresa de entalhadores em Lordelo. Inicialmente colocaram em causa a minha aptidão para trabalhar a maneira, mas depois de executar algumas peças nunca mais duvidaram do meu talento. Faço bustos e outras peças”, avançou, sustentando não ter receio de trabalhar com qualquer tipo de madeira.

Francisco Rodrigues realçou que todas as suas peças são manufaturadas, o que lhes confere um valor acrescido, sendo apreciadas por muitas pessoas.

“Esta coleção é toda ela dedicada aos Santos”, expressou, sublinhando que uma das suas peças preferidas é a do São Miguel Arcanjo.

“Sou uma pessoa católica. Leio muito sobre a vida dos santos para melhor conseguir retratá-los”, concretizou, sustentando que tem clientes de todo o país e é em casa que faz as suas peças.

Sobre a inspiração para trabalhar a madeira, Francisco Rodrigues admitiu que nem sempre tem uma ideia predefinida do que vai fazer.

“Algumas peças já tenho uma ideia preconcebida do que vou fazer, noutros casos, só depois de começar a trabalhar a escultura a peça vai ganhando forma”, precisou, afirmando que a peça que mais demorou a executar foi um remate com a cara de Cristo no centro para um museu.

“Foi necessário muitas horas e muitos dias para executar o trabalho”, confessou, acrescentando que o seu próximo projeto consiste em terminar um Santo António, mais uma encomenda que tem em mãos.

Francisco Rodrigues  esteve presente na última Bolsa de Turismo de Lisboa 2019 (BTL) que decorreu em Lisboa, tendo sido um dos vários convidados para integrar a comitiva de Paredes.

A vereadora da Cultura de Paredes, Beatriz Meireles,  realçou o caráter singular da arte deste escultor.

“É um mestre e uma pessoal especial que cativa qualquer um. É um homem de Vilela, do concelho e compete ao executivo valorizar os seus recursos e os seus talentos. O Francisco Rodrigues é um amigo da cultura”, atalhou.

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA