Lousada “B” e Aparecida dividem pontos

Lousada “B” e Aparecida dividem pontos

Domingo há mais um dérbi com o Aparecida a receber o Caíde de Rei

167
0
COMPARTILHE

Terminou sem golos o dérbi lousadense da Divisão de Honra entre o Lousada “B” e o Aparecida, não porque as equipas se remeteram a fechar o caminho para as suas balizas ou se tenha assistido a um jogo “deprimente”. Antes pelo contrário, as oportunidades de golo foram muitas, mas os guarda-redes acabaram por levar a melhor sobre os avançados.
Depois de vencer o outro dérbi desta série ao Caíde de Rei, os jovens lousadenses acabaram por contrariar a maior experiência do adversário e terminada a partida poder-se-à afirmar que conquistaram 1 ponto.
Moralizados pelos resultados recentes, os lousadenses até entraram melhor no jogo e logos nos instantes iniciais Tiago Cabral com uma grande defesa impediu o golo a Patrick. Do lado contrário, o Aparecida, que vinha de três derrotas consecutivas, procurava um triunfo para “escalar” na tabela classificativa. A resposta veio da cabeça do veterano Biscoito que, a passe de Pedro Moreira, levou a bola a sair a centímetros do poste.
Na reta final da primeira parte, os visitantes intensificaram a pressão e criaram várias situações de perigo, mas a tarde era de desacerto para os avançados e de acerto para os guardiões. Rafa tentou o golo do meio da rua, mas Tiago defendeu com dificuldade e na recarga Samuel Fonseca não foi capaz de acertar do alvo, quando se encontrava numa posição privilegiada para o fazer. Pouco depois, o capitão do emblema da Vila Mítica voltou a falhar o alvo, desta vez não dando a melhor sequência a uma assistência perfeita de Pedro Moreira.
Apesar do maior fulgor dos visitantes e já depois do treinador do Aparecida ter sido expulso do banco, foi aos homens da casa que pertenceu a derradeira oportunidade antes do descanso. João André, que já envergou a camisola verde/branca, atirou a rasar o poste com um remate em rotação já dentro da área.
Mesmo atuando fora de portas sentia-se que o Aparecida tinha a obrigação de vencer o jogo, não só para relançar a equipa em termos classificativos, como também animicamente. E, logo após o recomeço fez valer esse estatuto e foi à procura do golo. Biscoito apareceu isolado na área e tentou colocar junto ao poste mais distante, mas o remate saiu fraco e Tiago Cruz foi a tempo de desviar para canto. Pouco depois foi Pedro Moreira a tirar um passe de rutura que deixou Nandinho a entrar sozinho na área, mas mais uma vez o guardião lousadense parou o míssil do extremo do Aparecida com aquela que foi a defesa da tarde.
Para esta segunda parte, Alcides saltou do banco para fazer companhia a Biscoito e o Aparecida ter mais “poder de fogo” junto da baliza, mas com o avançar do cronómetro a ansiedade foi tomando conta dos jogadores. E, foi já na compensação que Biscoito cruzou para a pequena área, surgindo Alcides a disparar forte, mas os defesas do Lousada ofereceram o “corpo às balas” e impediram um golo quase certo.
No último lance do jogo, num lançamento em profundidade, Nelson Pinto apareceu no meio dos centrais do Aparecida para tentar fazer o chapéu a Tiago Cabral, mas este atento agarrou com segurança.
Uma igualdade que acabou por ser mais positiva para o Lousada que confirmou o processo evolutivo. Já o Aparecida acabou por pontuar ao fim de três jornadas e terá oportunidade de regressar às vitórias no próximo domingo quando receber o “lanterna vermelha”, o Caíde de Rei em mais um dérbi lousadense.
Nesta ronda o Caíde de Rei foi copiosamente goleada em casa pelo Lagares (0-4). A jovem equipa comandada por Pedro Ribeiro ainda aguentou o nulo nos primeiros 45 minutos, mas na etapa complementar a maior experiência dos felgueirenses sobressaiu e foi construindo um triunfo confortável.

João Rodrigues
“Soubemos aguentar a pressão”

Face à produção das duas equipas, o treinador do Lousada, João Rodrigues, considerou a igualdade um resultado aceitável, salientando ainda o rigor tático da sua jovem equipa perante um adversário mais experiente: “Foi um jogo bem disputado. Sabíamos à partida que o nosso adversário vinha aqui jogar o tudo ou anda. Teria de vir aqui ganhar obrigatoriamente se queria acalentar andar nos lugares cimeiros. Nós entramos bem na partida e poderíamos ter inaugurado o marcador numa oportunidade soberana. Os jogadores continuaram serenos, coesos e à altura do jogo de tal intensidade. No decorrer da primeira parte o jogo ficou mais dividido. O Aparecida, como boa equipa que é, também nos criou dificuldades, equilibrou o jogo e nalguns momentos esteve por cima, mas nós quando fomos pressionados soubemos aguentar a pressão. Na segunda parte houve mudanças táticas de parte a parte e as equipas encaixaram mais uma na outra e foi um jogo muito pautado pelo equilíbrio. Não houve tantas situações de perigo junto das balizas e só mesmo ao fim o Aparecida com mais coração do que com cabeça, a bombear bolas para a área, nos criou mais alguns problemas. Depois só deu para segurar o empate que acho ser o resultado que se aceita, porque as duas equipas criaram oportunidades e poderiam ter marcado”.

Sérgio Magalhães
“Faltou materializar as oportunidades”

O treinador do Aparecida, Sérgio Magalhães, mostrou-se resignado com a divisão de pontos, embora tenha salientado que a sua equipa tenha criado mais situações de golo iminente e que só pecou na finalização: “Foi um jogo entretido e mais ou menos conseguido da nossa parte. Faltou mesmo materializar as oportunidades. O Lousada só na primeira parte nos criou perigo, enquanto nós tivemos 3 ou 4 oportunidades claras de golo em cada uma das partes. A equipa acabou por acusar alguma intranqulidade porque os resultados não aparecem. Só nos resta aceitar o empate porque foi o resultado que se registou, mas a haver um vencedor teríamos de ser claramente nós”.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA