Ministro do Ambiente elogiou dinamismo na sensibilização e educação ambiental

Ministro do Ambiente elogiou dinamismo na sensibilização e educação ambiental

385
0
COMPARTILHE

O Ministro do Ambiente, Matos Fernandes, que encerrou as 25.ª Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental, uma iniciativa organizada pela Associação Portuguesa de Educação Ambiental (ASPEA), em articulação com a Câmara de Lousada, elogiou o trabalho desenvolvido e o dinamismo do município para promover a educação e sensibilização ambiental.
Aos jornalistas, o governante admitiu que o ambiente é um dos temas que deve fazer parte da agenda de qualquer Governo e autarquia, sendo esta uma temática atual.
“É cada vez mais importante falar do ambiente e mais ainda quando nos apercebemos que as principais limitações à economia, à forma como crescemos são essencialmente limitações ambientais, sendo as alterações climáticas, a escassez de água e de matérias-primas temas na ordem do dia. Neste sentido, vai haver uma grande mudança de hábitos que terá de ser aceite pela sociedade, não poderá ser imposta, existindo uma clara aposta na educação ambiental”, disse, reiterando o papel pioneiro que Lousada tem no conjunto nacional em matéria de promoção do ambiente.
“Sei bem que a Associação Portuguesa de Educação Ambiental (ASPEA) não faz as Jornadas Pedagógicas em qualquer sítio, e escolheu Lousada porque este município é um território onde estas matérias estão presentes e a ação liderada por seu executivo e pela sociedade civil dá garantias a quem organiza este evento que Lousada é um território em que estas temáticas adquirem uma visibilidade crescente”, sustentou.
Matos Fernandes ressalvou, também, o trabalho realizado pela autarquia, nomeadamente a realização de várias revistas e conteúdos no domínio do ambiente direcionados para as escolas e os estabelecimentos de ensino, tendo como objetivos consciencializar os alunos para a salvaguarda do património natural.
“Visitei o concelho há pouco tempo na inauguração de uma central de triagem e sei bem o esforço que o executivo municipal tem feito no sentido de fazer do ambiente, uma prioridade e um factor de crescimento sustentando do seu território”, afirmou, sublinhando que Lousada é um exemplo a ser seguido por outros municípios pelas boas práticas em matéria de sensibilização ambiental e preservação dos seus recursos.

Pedro Machado
“É vital descarbonizar a economia”

O presidente da Câmara de Lousada, Pedro Machado, fez um balanço positivo das 25.ªs Jornadas Pedagógica de Educação Ambiental e aproveitou para elencar algumas das medidas e projetos que o executivo tem realizado na área da educação ambiental e noutros domínios.
“Estas Jornadas possibilitaram que tivéssemos divulgado as nossas práticas, tratando-se de um fórum de partilha de conhecimentos com outros intervenientes e parceiros de outros países. Foram umas jornadas profícuas. Não é o futuro da terra que está em causa, mas sim o nosso futuro e por isso faz todo o sentido que estejamos devidamente sensibilizados para estas questões”, confirmou, reafirmando que com muitos munícipes, voluntariado, o município plantou mais 40 mil árvores nativas, aumentou em mais de 25% a taxa de separação de resíduos sólidos, assumindo ser vital descarbonizar a economia, promover o diálogo intergeracional e promover políticas amigas do ambiente, numa lógica de sustentabilidade.
O presidente da Associação Portuguesa de Educação Ambiental (ASPEA) assumiu que a realização destas jornadas em Lousada foi uma aposta ganha e que a organização tem vindo a promover descentralizadamente as Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental em Portugal, com periodicidade anual e temáticas diversificadas
“Espero que este seja o início de um compromisso coletivo para o tratamento das temáticas socioambientais, que nos leve a criar novas parcerias, novos projetos, reforçando as orientações e os princípios em matérias de estratégia ambiental da Associação Portuguesa de Educação Ambiental”, referiu, desafiando os participantes para ajudar a associação na formação cívica e pedagógica.
Com o tema «Educação Ambiental e diálogo intergeracional: oportunidades e sinergias», o programa das jornadas foram preenchidas por diversas conferências magistrais, comunicações orais, stands, oficinas pedagógicas e saídas de campo com acções de intervenção, cujos conteúdos se distribuem por 3 eixos temáticos.
As jornadas assumiram-se como uma oportunidade para valorizar a intergeracionalidade face aos desafios das crises ambientais, enfrentadas atualmente.

Jornadas com especialistas nacionais e estrangeiros

Durante os três dias em que decorreram as Jornadas houve conferências, exposições, bem como oficinas pedagógicas e saídas de campo. Marcaram presença no evento Ignace Schops, da Federação EUROPARC, Helena Freitas, da Universidade de Coimbra, Edgar Gaudiano, Universidade Veracruzana – México, e Pablo Meira, da Universidade de Santiago de Compostela.
O programa das Jornadas teve em linha de conta três eixos temáticos. O primeiro foi a “Educação Ambiental: diálogo intergeracional e inclusão social”, seguindo-se a “Educação Ambiental na valorização das comunidades locais” e também a “Educação Ambiental: abordagens cooperativas, artísticas e de bem-estar”.

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA