Processo participativo da Paisagem Protegida do Sousa Superior envolveu mais de 500...

Processo participativo da Paisagem Protegida do Sousa Superior envolveu mais de 500 pessoas

No total, a área Paisagem Protegida de âmbito local corresponderá a cerca de 1400 hectares, ou seja cerca de 14% do território do concelho de Lousada, desde o leito do rio, às galerias ripícolas, áreas de floresta e aglomerados urbanos.

135
0
COMPARTILHE

Mais de 500 pessoas participaram nas sessões do processo participativo do Sousa Superior que decorreu em várias juntas de freguesia do concelho de Lousada.

O projeto da paisagem protegida  do Sousa Superior envolve oito freguesias e tem como propósito classificar 14% do território , fomentando a proteção dos valores naturais e a identidade local do mesmo território.

Questionado sobre o processo e a forma como o mesmo decorreu, o vereador da Cultura da Câmara de Lousada, Manuel Nunes, fez um balanço positivo do processo participativo e da adesão dos vários atores e agentes locais que além do seu contributo colocaram dúvidas e deixaram sugestões.

“Fazemos um balanço muito positivo. Até esta fase, entre as apresentações públicas, apresentações setorias (partidos políticos, juntas de freguesia, agrupamentos de escolas e agentes económicos) e sessões nas Juntas de Freguesia foram já envolvidas mais de 500 pessoas, que tiveram a oportunidade de manifestar as suas preocupações, esperanças e ensejos para este projeto conjunto da Paisagem Protegida do Sousa Superior”, disse, sustentando que a classificação dos 14% do território irá permitir criar área protegida que servirá para proteger a biodiversidade, mas também o património edificado e imaterial, os usos e costumes, as tradições, os produtos e serviços típicos da região.

“É um projeto que queremos que valorize a região e todos os que por cá habitam, portanto apenas faria sentido avançar com a classificação do território após auscultar exaustivamente a população que nele vive. Apelámos e a população fez-se ouvir. Contamos já cerca de 15 reuniões públicas e técnicas, e verificamos que o parecer da população é muito coincidente com as opiniões dos peritos, denotando uma elevada coerência de objetivos e visão de futuro. Agora estamos a elaborar o plano de gestão, que compilará todas as opiniões tão proficuamente recolhidas”, expressou.

Falando ainda do feedback da população ao projeto, Manuel Nunes ressalvou que  a sensibilidade demonstrada foi superior à que inicialmente prevíamos.

“De uma forma geral, os munícipes participaram ativamente, com intervenções muito pertinentes e construtivas, expressando também os seus receios com frontalidade e assertividade. Creio que a importância da Paisagem Protegida ficou clara e é unânime, e todos deram o seu melhor para construir eficazmente o que virá a ser o Plano de Gestão para o território a classificar, desde oportunidades de valorização da natureza, usufruto e lazer, oportunidades de negócio e empregabilidade, valorização regional, entre outros aspetos profusamente discutidos ao longo do processo de auscultação”, sustentou.

Sobre as questões mais colocadas no decorrer das sessões, o responsável pele pelouro da Cultura esclareceu que a conservação, a divulgação e a valorização do património natural (fauna e flora) foram os temas mais abordados.

“As preocupações centram-se em torno de questões tão diversas, mas estruturantes, como a conservação, divulgação e valorização do património natural (fauna e flora) e cultural (material e imaterial), da paisagem agrária, da valorização do território e dos agentes económicos locais, da criação de oportunidades de emprego e de promoção de desenvolvimento sustentado centrado nos produtos de caráter local e, sobretudo, numa gestão coerente e responsável do território que consagre a paisagem como ativo fundamental para a promoção do território”, acrescentou.

Refira-se que o processo participativo do Sousa Superior culmina já este sábado com uma festa final, estando agendadas três atividades, em três regiões distintas do Vale do rio Sousa.

“A atividade de encerramento deste processo participativo será um momento de celebração coletiva e de experimentação de algumas das propostas que surgiram durante as diversas sessões participadas. A festa decorrerá no próximo dia 13 de julho, sábado, entre as 9.00h e as 13.00h e consistirá na realização, em simultâneo, de três atividades, em três regiões distintas do Vale do rio Sousa: Caminhada interpretada pelas margens do Sousa (freguesia de Meinedo), Rota do Milho (freguesias de Aveleda e Pias) e Portas abertas “Casas senhoriais” (Vilar do Torno e Torno). No final destas atividades, os participantes reunir-se-ão no Parque de Vilela, na freguesia de Aveleda, para um almoço convívio. As atividades e o almoço são gratuitos mas implicam uma inscrição prévia no site do município http://www.cm-lousada.pt/pt/paisagemprotegida”, disse, sustentando que com esta festa, pretende-se promover o rio, o património associado e as tradições e culturas humanas que dele dependem e que com ele convivem.

“A salvaguarda do rio, da sua natureza, ditará, em última instância, a nossa própria salvaguarda porquanto as massas de água se revelam elementos fundamentais para a nossa sobrevivência, mais a mais numa época em que as mutações climáticas impões profundas alterações à forma como olhamos os nossos territórios a forma de com eles interagir”, avançou.

Quanto à classificação de uma área correspondente a 14% do território do concelho, ao longo do Rio Sousa, Manuel Nunes, revelou que a classificação formal desta área protegida decorrerá ainda durante o ano de 2019 sendo intenção do município propor ao ICNF a sua integração na rede nacional de áreas protegidas ainda em 2020.

“No total, esta a área Paisagem Protegida de âmbito local corresponderá a cerca de 1400 hectares, ou seja cerca de 14% do território do concelho de Lousada, desde o leito do rio, às galerias ripícolas, áreas de floresta e aglomerados urbanos. Todavia, sendo o rio Sousa um elemento da paisagem que se estende para montante e para jusante de Lousada, fará sentido, a seu tempo, que esta Paisagem Protegida do Sousa Superior possa extravasar as fronteiras municipais e estender-se aos concelhos vizinhos criando um corredor natural de enorme alcance e importância regional”, manifestou.

 

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA