Sérgio Pinto quer reconquistar título na Legends Cup

Sérgio Pinto quer reconquistar título na Legends Cup

Nacional de Velocidade arranca este fim-de-semana com o Estoril Super Racing Series

512
0
COMPARTILHE

O Campeonato de Portugal de Velocidade arranca este fim de semana, 13 e 14 de abril, no Circuito do Estoril, numa prova pontuável para oito competições nacionais e uma internacional, nomeadamente: Campeonato Open de Portugal de Velocidade, Campeonato de Portugal Velocidade Clássicos, Campeonato de Portugal Velocidade Clássicos 1300, Campeonato de Portugal Velocidade de Legends, Troféu Super 7 by Toyo Tyres, KIA Picanto GT Cup, Formula Ford, CSS Group 1 Portugal e TCR Ibérico.
O lousadense Sérgio Pinto mais uma vez vai participar na Legends aos comandos do Honda Civic 1.6 com que o ano passado se sagrou vice-campeão da categoria Especial. O piloto natural de Meinedo garantiu que a meta passa pela conquista do título que escapou a temporada passada e que já ganhou em 2015, quando o Civic estava equipa com um motor 1.4.

Sérgio Pinto

“O carro sofreu uma pequenas alterações e foram corrigidas e feitos alguns melhoramentos em relação ao ano anterior e o nosso objetivo passa por sermos campeões”, disse Sérgio Pinto que volta a defender as cores da DNY Team e vai lutar juntamente com mais seis pilotos.
Com uma grande paixão pelos desportos motorizados, Sérgio Pinto foi durante muitos anos presidente do Clube Tuning de Meinedo, coletividade que organizou muitos e bons eventos dedicados à modalidade, assim como provas de drift. Contudo, as suas andanças no mundo competitivo só começaram em 2014, quando integrou pela primeira vez um campeonato federado (embora tenha até então realizado algumas corridas de Time Attack). A estreia aconteceu no Legends Cup, tendo terminado a época na 2.ª posição da categoria PH99.

José Ferreira (mecânico) e Sérgio Bessa (ajudante mecânico)

Em 2015, o Honda Civic D14VTEC foi alvo de alguns upgrades e passou a integrar a classe Especial, onde com¬petiam os carros sem Ficha de Homologação. Entre estes encontravam-se o Renault Spider, o Ford Sierra RS500 e o Mercedes 190E 2.5 16V, um dos míticos carros que competiu no DTM na década de 90. O magnetense começou a temporada com um triunfo e um 2.º lugar em Braga, seguindo-se duas vitórias no Estoril. Apesar de nas corridas seguintes não ter tido o mesmo sucesso, Sérgio Pinto chegou à derradeira corrida do campeonato no Autódromo Internacional do Algarve com 2 pontos de vantagem sobre Vasco Barros do Mercedes ex-DTM. O mesmo significava que bastava apenas um 2.º lugar para se sagrar campeão, resultado que obteve logo na primeira corrida. Um feito tremendo para o lousadense que venceu uma autêntica batalha entre “David e Golias”.

Manuel Costa (chefe equipa) e João Cunha (relações publicas)

Em 2016, o piloto retirou as alterações ao Honda Civic e regressou a classe PH99, mas duas transmissões partidas (Braga e Estoril) hipotecaram desde logo a temporada, tendo apenas conseguido terminar em 9.º da classe. E, em 2017 uma paragem devido a projetos profissionais e familiares, regressando o ano passado, novamente para a categoria Especial, sagrando-se vice-campeão, agora equipa com um motor VTEC 1.6, mesmo que vai lutar pelo lugar mais alto esta época.

Gustavo Pereira (engenheiro electrónica) e Ivan Costa (engenheiro mecânico)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA