Sobreirense falhou conquista do título da 2.ª divisão

Sobreirense falhou conquista do título da 2.ª divisão

Macieira, 3 - Sobreirense, 2 Perante o empate em Ferreira, os paredense ainda sonharam, mas no derradeiro lance da partida sofreram o contra-golpe

230
0
COMPARTILHE

O Sobreirense deslocou-se a Macieira ainda com a esperança de se sagrar campeão de divisão. Depois da goleada sofrida na jornada anterior frente ao principal rival deste play-off, a turma orientada por Renato Guimarães sabia que não dependia apenas de si própria para conquistar o objetivo.
Os visitantes tentaram transpor essa esperança para dentro das quatro linhas e entraram bem no encontro, dispondo de duas oportunidades claras para se adiantar no marcador. A falta de eficácia impediu o Sobreirense de marcar e permitiu ao Macieira aproveitar. A equipa da casa conseguiu colocar-se em vantagem, beneficiando de uma falha defensiva do conjunto de Paredes, com Hugo Costa a fazer o 1-0.
Ainda antes do intervalo, os homens da Sobreira enviaram uma bola ao poste, mas não conseguiram desfazer a derrota até ao período de descanso.
No segundo tempo, a equipa de Renato Guimarães mostrava sinais de querer alterar o resultado, mas voltou a expor-se, permitindo ao Macieira dilatar a vantagem por intermédio de Rui Pereira.
A perder por 2-0 e sabendo do resultado do Ferreira, o Sobreirense foi “obrigado a tudo” para ainda sonhar com o título de campeão de divisão. A equipa visitante aplicou-se no ataque, criando inúmeras oportunidades, que conseguiu concretizar. Iuri marcou o primeiro aos 65 minutos, Miguel empatou a partida aos 72. A partir daí, o conjunto de Paredes já só pensava na vitória que daria o título de campeão, mas as esperanças “caíram por terra” no último lance do encontro. Beneficiando de um lance de canto, o Sobreirense colocou toda a equipa na área adversária e sem conseguir ganhar a posse de bola, Pedro recuperou o esférico e, sem oposição, estabeleceu o 3-2 final.

Renato Guimarães
“Por vezes a emoção sobrepõe-se à razão”

No final da partida, a tristeza era notória no rosto do treinador que não escondia a mágoa sentida no balneário: “Neste último jogo do play-off de apuramento de campeão, tudo tentamos para conquistar a vitória. Foi o jogo que mais oportunidades criámos para marcar e conquistar uma vitória por números expressivos, mas, por ironia do destino, não o conseguimos quer por falta de eficácia da minha equipa, quer pelas inúmeras bolas que bateram nos postes da baliza adversária. Este resultado impediu-nos de nos sagrarmos campeões de divisão, mas tenho a certeza de que tudo fizemos para conquistar tal feito.”
Um jogo em que o caráter emocional não foi posto de parte, caraterística compreensível para o técnico sobreirense: “Foi um jogo muito emocional, pois era uma partida em que podíamos alcançar mais uma conquista notável para o clube e, quando assim é, por vezes a emoção sobrepõe-se à razão.”
Apesar do desfecho, o treinador da equipa principal do Sobreirense garante: “Foi uma época notável para este plantel pois conseguimos potenciar a equipa sénior com um nível exibicional interessante e colocá-la na rota das conquistas.”
Sobre a próxima época, Renato Guimarães admite: “Terminada a época, chega ao fim o meu ciclo como treinador da equipa sénior do I.S.C.Sobreirense. Tive muito orgulho em ser parte ativa neste projeto e no crescimento do clube. Vou aproveitar a pausa para descansar e reunir forças para abraçar novos projetos e futuras conquistas.”

Ricardo Barros
“Realizei o sonho de muita gente neste clube”

Do outro lado, Ricardo Barros considerava: “Foi um jogo muito difícil, porque já sabíamos que a equipa adversária precisava de ganhar. Ainda assim, nós soubemos aproveitar isso e montámos uma estratégia para os aliciar a atacar e surpreendê-los nas transições. A nossa tática deu resultado e conseguimos fazer o 2 – 0. O adversário conseguiu empatar, mas nós tivemos coerência e eles tiveram azar.”
O resultado não alterava a classificação do Macieira neste play-off, mas o técnico explica a razão pela qual os seus atletas não estiveram dispostos a facilitar: “Estava a dignidade em jogo e era o último convívio juntos. No início estávamos todos emocionados, porque este grupo nunca mais vai continuar junto dentro de campo. Embora queiramos manter a boa relação fora das quatro linhas.”
Finda a época, Ricardo Barros não esconde: “Fica o sentimento de dever cumprido, o primeiro lugar, na minha opinião, na fase mais importante. Esta foi uma fase muito complicada, mas sinto-me feliz, porque realizei o sonho de muita gente neste clube.”
Ricardo Barros já assinou pelo Citânia de Sanfins, clube que vai orientar na próxima temporada, sobre o novo projeto, o técnico assume: “É um desafio aliciante onde vou ter de trabalhar arduamente.”

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA